sexta-feira, setembro 09, 2005

*INTERREGNO*


Setembro, dia 9:
______________

E' um dia marcante para mim!
Reparem, digo MARCANTE, nao Importante!

_Sera' pois, o tempo certo para um Interregno. Porque, me questiono inumeras vezes, sobre se, o que eu tenho a dizer, sera' algo, que tenha interesse para os Outros, que aqui vem ler as palavras simples, humildes, que escrevo:_humildes, mas que partem inteirinhas do meu coracao!
_A questao, porem, e': e... as palavras que partem do meu coracao, serao algo "digno de ser lido", ou ser exposto!???...
_Esta, e outras interrogacoes, eu me venho colocando ha' algum tempo:_Interessara' a alguem aquilo que eu escrevo?? e, mais:_Tem alguma qualidade os textos (prosa ou verso) que aqui publico???...
_Penso, que o UNICO VALOR , se o houver... sera', a divulgacao que tenho feito de alguma POESIA, ou POETAS, que nao sao tao "mediaticos", se e' que este termo esta' correcto, neste contexto
!_Sou muito sensivel, a todas as PALAVRAS de Carinho, que meus Leitores, muitos dos quais, se tornaram verdadeiros AMIGOS, pese embora, a distancia fisica que nos separa; aqui me foram deixando ao longo do tempo!

_Dei-me inteiramente, nas palavras de AMIZADE_!

_Estou grata, Aqueles que retribuiram!_MUITO GRATA_! Mas, e' tempo de PARAR:_ nao sera' uma paragem definitiva, porque afinal, nem sabemos o que e', ou nao e', definitivo! Mas... sera' um INTERREGNO!

_Visitarei Vossos ESPACOS, sempre que possivel. Porem, na maioria das vezes, sera' em Silencio! Contudo, quebra'-lo-ei, de quando em vez, para VOS deixar um abraco e dizer que estou bem!

_OBRIGADA!

_SEJAM FELIZES E... a SAUDE, SE FACA PRESENTE EM VOSSAS VIDAS!

Vossa Amiga,Heloisa.
******************

*FICA A POESIA*:

***Ricardo Reis****
******************
*Acima da Verdade*
________________

Acima da verdade estão os deuses.
A nossa ciência é uma falhada cópia
Da certeza com que eles
Sabem que há o Universo.

Tudo é tudo, e mais alto estão os deuses,
Não pertence à ciência conhecê-los,
Mas adorar devemos
Seus vultos como às flores,

Porque visíveis à nossa alta vista,
São tão reais como reais as flores
E no seu calmo Olimpo
São outra Natureza.
* * * * * * * * * * * * * * * * *
***************************
*Aos Deuses*
______________

Aos deuses peço só que me concedam
O nada lhes pedir.
A dita é um jugo
E o ser feliz oprime
Porque é um certo estado.
Não quieto nem inquieto meu ser calmo
Quero erguer alto acima de onde os homens
Têm prazer ou dores.
* * * * * * * * * * * * * * * * * *
*****************************
*Aqui*
____________

Aqui, neste misérrimo desterro
Onde nem desterrado estou, habito,
Fiel, sem que queira, àquele antigo erro
Pelo qual sou proscrito.
O erro de querer ser igual a alguém
Feliz em suma — quanto a sorte deu
A cada coração o único bem
De ele poder ser seu.
* * * * * * * * * * * * * * * * * *
**************************

***Fernando Pessoa ***
**********************

*Não sei quantas almas tenho*
_______________________

Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,

Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo : "Fui eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu.

* * * * * * * * * * * * * * * * * *
***************************
********************************POIS, DEUS SABE!!!!!SABE PORQUE CRIA OS POETAS E...PARA QUE!!!_SERA' QUE "SABE"_???
-----------------------------------------------------Eu, sei, que *FERNANDO PESSOA* e... Seus HETERONIMOS (Suas multiplas "Almas"...) E' IMPAR (Sao Impares!)!!!!!
----------------------
FICA UM ABRACO!
~~~~~~~~~~~~~~~
PS: REPITO AQUI, A POSTAGEM DO "CONVERSANDO", porque o que tenho a dizer, e' isto exactamente! Perdoem-me, Aqueles que frequentam ambos os blogues, porque estarao a ler uma repeticao!_OBRIGADA, POR AQUI ESTAREM!
Heloisa B.P.
************

27 comentários:

batista filho disse...

Princesa, vez é quando é natural a gente querer parar. Parar, simplesmente. Dar um tempo. Sem maiores explicações. Só isso.
Quanto a ter ou não valor (literário ou não) o que escreves, aí já é outra estória. Não tenho embasamento teórico (estudo formal) para fazer uma análise acadêmica... mas, como leitor, tenho sim, porque querendo ou não, dizendo ou calando, ao término d'uma leitura, no íntimo gosto ou não. E se questiono saberei o porquê. É essa a crítica do leitor mediano, que é o que sou e que faço, ao término de qualquer leitura.
Nem tudo que se escreve tem valor literário (?). Mesmo os autores consagrados têm obras de maior e menor expressão - e outras que sequer têm coragem de publicar!
Quanto a nós?... a ti, especificamente? Decerto, entre tantos e tantos escritos da alma, uns consideraremos melhores que outros. Alguns, ou muitos, serão meros exercícios no ofício de ordenar palavras, concatenar idéias-sentimentos. Mesmo esses últimos têm uma importância fantástica, à exemplo das quedas que temos quando em criança, na tentativa de aprender a andar.
Falo por mim: gosto do que escreves – não por amizade! – mas por encontrar na tua poesia e prosa uma forma de pensar e dizer que é só tua!... e de um valor extraordinário, inclusive, literariamente falando!
Com admiração, respeito e amizade,
te beijo.

António disse...

Olá, amiga Heloísa de Londres!
Mais uma vez aqui estou a agradecer a visita ao meu cantinho e as palavras verdadeiramente cheias de ternura que lá me escreves.

Vejo que vais fazer uma pausa no teu blog.
Se entendes que é útil, tudo bem.
Mas espero que não te ausentes por muito tempo. E que continues a visitar-me e comentar os meus textos. Já és uma visita imprescindível.
Muitos beijinhos

Bárbara Vale-Frias disse...

Querida Heloísa, habituei-me a vir espreitar o teu blog... e agora? Já estou triste com o anúncio da tua ausência. Espero que o intervalo sirva a reflexões positivas e frutíferas :)

Volta assim que sentires forças pois nós vamos estar aqui prontos para te começar a ler de novo :)

Entretanto, vai passando pelos blogs dos amigos. É sempre bom receber-te em casa :)

Bjs.

j disse...

Fique connosco, querida Amiga!
Mesmo quando passamos sem deixar vestígio visível, é um pouco de nós que vai ficando. Em "troca", apenas peço que fique...
Um beijo.

Carlos Barros disse...

tudo o que se diz é importante porque se não...não se dizia....

Isabel-F. disse...

Querida Heloisa...

Conhecemo-nos à tão pouco tempo ...
e desde então que aqui venho todos os dias à procura de novidades tuas...

compreendo que sintas necessidade de parar... mas sinto-me triste... um pouco defraudada até...por este teu anúncio....

só espero que voltes rápido... e que não te esqueças daquilo que agora prometeste... dizer-nos pelo menos que estás bem...

sê feliz minha querida...
beijo no teu coração...já com imensau saudade...

Isabel

Isabel-F. disse...

Querida Heloisa...

Fico então à espera desse seu convite... não sei que espaço será esse....

talvez a palavra que eu usei "defraudada"... tenha sido forte depois... e por isso peço desculpa....mas o carinho que sinto por si... não consegue afastar de mim essa tristeza pela sua ausência... foi só isso... valeu????

beijo grande...
o meu MSN é
isabelfilipe@oninet.pt

e o meu email é
isabelfilipe1955@yahoo.com.br

até um dia destes...

Isabel

Menina_marota disse...

Minha querida, compreendo que queira fazer um interregno, eu própria também em tempos já fiz uma pausa, mas é muito importante a sua presença aqui. O carinho, as palavras, os textos que partilha connosco, faz do seu Blog uma paragem obrigatória.

Por isso , digo-lhe um até já cheio de carinho, com um abraço de sentida Amizade.

Volte depressa... ;)

Anónimo disse...

por favor não suma...
fique por cá a nos presentear com tão belos poemas...
estou de volta e amanhã parto para o Norte.

mas quero te ver em minha casa.

beijão

Peter disse...

Heloísa, tenho feito imensas vezes essa pergunta a mim mesmo e sempre tenho continuado.
Publico aquilo que gosto. Tento denunciar aquilo que vai mal no meu País (tudo?) e preciso de si, como preciso dos outros que visitam o blog, pois sem eles o blog "morre".
Continuo a contar consigo.

batista filho disse...

Passei pra deixar mais um abraço e um beijo. Fica bem, amiga.

Isabel-F. disse...

Oi Heloisa...

Espero que esteja tudo bem contigo.
Já recebi o convite... já ingressei... mas... não percebo como aquilo funciona...podes dar-me umas dicas para o meu email???

Bjs e bfds

JSilvio disse...

houve uma altura k ia apagar o meu blog...coisas da vida..mas houve quem dissesse que devemos fazer as coisas k gostamos e nao as que os outros pensam ou dizem...
se gostas de escrever...escreve para ti...mas coloca aqui =)**

António disse...

Mais uma vez agradeço a visita ao meu blog.

Eu sei que as rivalidades podem ser sadias e promotoras de mais empenho e evolução.
Mas quando são tolas e mesquinhas...não!
São ínúteis e bloqueadoras de melhorias.

Um beijinho para
Uma alentejana em Londres
(podia ser um bom nome para um filme...eh eh)

JMTeles da Silva disse...

Venho aqui deixar-lhe um abraço e um beijinho pelas suas sempre tão apreciadas visitas. Espero que a sua saúde lhe não dê problemas. Até sempre. Vamo-nos escrevendo.
Fique bem.

Al disse...

se eu fosse a ti (se é óptimo não é!?) nem pensava nessas coisas. O impulso e a verdade têm sempre o seu lugar e quem não gostar que coma menos!
See u...soon. i hope!
Fica bem, linda.
Beijo (te)

António disse...

Ainda está em hibernação o teu blog.
Quando o fazes despertar?

Obrigado por mais uma visita.
Como podias ter reparado, não apaguei o post.
Escrever ficção é mais complicado pois implica inventar uma história plausível e coerente, com personagens tão reais quanto possível.
E tudo isso requer muito mais tempo do que um post normal.
Daí a dúvida sobre a minha capacidade de escrever ficção.

Beijinhos

Poemas de amor e dor disse...

A ESPAÇOS NADA ENTENDO

A espaços nada entendo
É como se tudo desaparecesse
Todo o universo se juntasse
E ao mesmo tempo nada existisse.
Quem sou eu afinal?
Que faço eu aqui?
Quem vai ler o que escrevo
Se nada existe ali
Estarei por certo mal
É como se tudo parasse
E na calmaria só o vento...
-Vento o que és afinal?
-O vento vira furacão
E faz da cidade um lugar.

Aluga-se o meu pensamento…
Cede-se um espaço ao luar
Penduro-me na cabeça do momento
E vou por aí a navegar
A terra é redonda
A lua está ao alcance da mão
O espaço não se monda
Tudo junto, tudo certo
Céu aberto
Como o meu coração
Que no meu corpo manda
E desanda
A minha alma vai e vem
Vem! Sou um simples mortal
Quando, sem esperança final,
Toda a esperança se tem...
09-09-2005 20:19
Rogério Martins Simões

(Sofre-se tanto no silêncio sem um lamento, sem uma palavra de ira à natureza. É o caso de uma nossa companheira dos blogs que quase não pode escrever!
Doce amiga Heloise é para ti este poema)
Rogério

Peter disse...

Continua nos n/links. Esperamos por si.

António disse...

Mesmo em tempo de interregno não posso deixar de aqui vir agradecer a visita que me fizeste.
Cá voltarei...tenho a certeza!

Beijinhos

batista filho disse...

Heloisa, um beijo saudoso. O texto do Rogério ficou lindo!
Tudo de bom, para os dois.

Menina_marota disse...

Passei para deixar um grande abraço de saudade. Já é tempo de regressar...anseio as suas palavras...

Um abraço carinhoso ;)

batista filho disse...

Ao som de "MY Sweet Lord", de George Harrison, envio um abraço fraterno, desejando-te tudo de bom, amiga.

Stela disse...

Heloísa!
TEM GENTE...
"Tem gente, neste mundo que são apenas gente... no entanto tem gente neste mesmo mundo que mais se parecem com o orvalho perfumado por onde passam deixam seu perfume... e a estas pessoas eu as chamo de gente amiga, assim como você."
UM ÓTIMO FINAL DE SEMANA.
Bjus!

batista filho disse...

Por agora, quase todas as manhãs são nubladas, mas toda estação traz consigo beleza singular. Há pássaros que só cantam ou cantam mais por ocasião das chuvas, é o caso dos sabiás. À exemplo dos pardais acostumaram-se ao convívio humano, só que têm um canto belíssimo! - dá gosto ouví-los logo cedinho, quando levanto (faço-o muito cedo).
Conosco não sucederá o mesmo?
Um beijo, amiga.

Carlos disse...

Femina



Não lavei os seios
pois tinham o calor
da tua mão.

Não lavei as mãos
pois tinham os sons
do teu corpo.

Não lavei o corpo
pois tinha os rastros
dos teus gestos;
tinha também, o meu corpo
a sagrada profanação
do teu olhar
que não lavei.

Nem aqueles lençóis,
não os lavei,
nem os espelhos
que continuam
onde sempre estiveram:
porque eles nos viram
cúmplices, e a paixão,
no paraíso,
parece que era.

Lavei, sim,
lavei e perfumei
a alma, em jasmim,
que é tua, só tua,
para te esperar
como se nunca tivesses ido
a nenhum lugar:

donde apaguei
todas as ausências
que apaguei
ao teu olhar

batista filho disse...

Passo para deixar um beijo nessa tarde de domingo. Aproveito para dizer que deixaste um endereço que não consigo acessar. Por favor, onde mais posso encontrar o que escreves, amiga? # Fica bem.